Skip to content

She Hoos Go – Um pouco de Riot Grrrl no palco do Grito Rock

A banda de Punk/Hardcore feminina She Hoos Go nasceu em março de 2010 na cidade de Pelotas/RS, formada por Daiah (vocal e guitarra), Simone (bateria) e Daniel (baixo).
Tem como forte influência bandas do cenario Riot Grrrl como L7, Hole, Bikinni kill, Dominatrix e bandas femininas como The Distillers, Runaways, Joan Jett, The Donnas, Tsunami bomb, No Doubt e outras.

Trabalhando com as músicas P.I.G. (sexxy boy), Rimas vazias, ANA, Such my brain e Cold heart grrrl, qu epodem ser conferidas em vídeos no youtube, estão em fase de composição de novos sons para posterior gravação. Circulam pelos festivais undergrounds de Pelotas e alguns festivais fora da cidade como em Porto Alegre, Novo Hamburgo e Campo Bom.

Para saber um pouco mais sobre a She Hoos Go, acessem o perfil da banda no Facebook. Fecham o Grito Rock Pelotas 2012, tocando dia 18/03, domingo, à 1hr.

A dupla Medialunas

A Medialunas nada mais é do que o nome dado à união musical de um dos casais mais hiperativos da cena independente nacional atual. Andrio Maquenzi (Superguidis, Urso e Worldengine)na guitarra/vocal e Liege Milk (Loomer e Hangovers) na bateria/vocal.

Apaixonados por música, ambos trabalham com tal, por quase 24 horas por dia. Amantes das guitarras distorcidas, baterias pulsantes e vocais harmônicos, o duo resolveu gravar em casa dois despretensiosos singles no início do ano (Humming e Colorful), que foram lançados logo em seguida, via Trama Virtual.

O resultado, foi “uma pá” de downloads, que deixou a banda em primeiro lugar no Top 10 da Trama, nos dias seguintes aos lançamentos, que motivaram o casal, a logo em seguida, gravar e lançar mais dois singles (Slo-Mo Dancer e Chunby).

Em dezembro de 2011, a banda foi citada em várias listas de blogs, portais de música e aclamada pela crítica como uma das revelações do 2011, e promessa para 2012!

A Medialunas toca no Grito Rock Pelotas nesse domingo, às 23hrs.

Energia: assim se define a Freak Brotherz

Desde o início da Freak, em 98, a banda adotou a postura do “faça você mesmo” e teve de aprenderna marra como organizar os seus shows, sem esquecer da produção musical. A marca registradada banda e a sua presença de palco e a pegada com groove dos músicos. Outra característicaimportante é o seu envolvimento nos movimentos sociais e culturais da Zona Sul do estado.

A Freak Brotherz participou de shows e festivais de grande porte no estado e no país, dividindo o palco com bandas independentes e importantes do cenário gaúcho, nacional e internacional como Iron Maiden, Helloween, Marky Ramone, Raimundos, Charlie Brawn Jr., Barão Vermelho, Da Guedes, Maria do Relento, Cachorro Grande, Tequila Baby, Ultramen, Acústicos e Valvulados, Comunidade Nin-jitsu, Frank Jorge, Wander Wildner, Nei Lisboa e Engenheiros do Hawaii.

São 3 cds demos, várias coletâneas, dois vídeos clipes e 3 músicas gravadas ao vivo no Dado Tambor em Porto Alegre. No ano de 2007 lançou seu primeiro cd intitulado Dentro da Ideia, gravado em Pelotas no Estúdio do Pantanal. São treze músicas da banda com a participação de JV (Nação Suburbana), Jucá De Leon, Lyber Bermudez e MC Gagui IDV. As três primeiras músicas do próximo disco se encontram disponíveis no MySpace.

Letras inteligentes, técnica e ritmo fluindo no palco, energia suficiente para movimentar uma usina:a fórmula certa para um grande espetáculo. Assim é a Freak Brotherz, que toca no Grito Rock Pelotas no dia 18/03, dmingo, às 22hrs.

Pimenta Buena – A sensibilidade da música brasileira e a rusticidade do país vizinho

Sua música, executada por três instrumentistas brasileiros e um cantor uruguaio caracteriza, pela sua influência, uma dicotomia de estilos com cargas de som cosmopolita e trajetos de poesia provinciana, inclinando-se assim, seu trabalho, ao público latino-internacional.

Nascida na fronteira de Brasil e Uruguai, em fins de 2007, começou através de inúmeros espetáculos e via internet a divulgação das músicas que integrariam seu primeiro CD, intitulado Pimenta Buena, produzido de forma independente. Em seu currículo carrega shows em Pelotas, Porto Alegre, uma turnê por Montevidéu e diversas outras cidades do Rio Grande do Sul.

Durante um breve período a banda virou objeto do vídeo documentário denominado Pimenta Buena, realizado por Moviola Filmes, que acompanhou todos os passos da banda em seu início de carreira.

Em 2009 lançou seu primeiro CD, obtendo reconhecimento de público e crítica.2010 foi um ano de grandes realizações, que marcou, além do lançamento do primeiro videoclipe oficial, também a produção de um EP contendo cinco novas canções, produzido parte no estúdio Submarino Amarelo de Duca Leindecker, e também no estúdio do Curso de Produção Fonográfica, em parceria com a Universidade Católica de Pelotas.Em maio de 2011, o lançamento do EP Nada Original lotou as dependências do Theatro Guarany durante as festividades alusivas aos seus 90 anos, e contou com a participação do premiado músico e compositor pelotense Vitor Ramil.

Atualmente em turnê de divulgação no Brasil e exterior, o grupo já se prepara para entrar em estúdio e gravar seu segundo álbum. A Pimenta Buena pode ser escutada pelo MySpace, e tocam no Grito Rock Pelotas dia 18/03, domingo, às 20hrs.

Serginho, o trovador universal

Serginho Vassourolão, Serginho D’avassoura, ou apenas Serginho. Toca há 13 anos, e desses 13, 70 na rua. Não gosta de dizer por onde já tocou, mas se orgulha “calçadas do Brasil inteiro!”

Suas músicas são feitas de um jeito diferente. É preciso viver a vida de cada cidade, ser como os moradores locais, conhecer as histórias, as dores, as lendas. Dentro de bares e em casas de cultura popular Serginho junta material, para depois expressá-los em sua música nas ruas.

Serginho tem uma vassoura, que na verdade é uma guitarra. Uma latinha de azeite, que faz a vez de microfone. Outros instrumentos acompanham o músico por Pelotas (e pelo mundo), sua bicicleta e alguns discos de vinil completam o curioso grupo.

Seu repertório, cheio de críticas sociais e significados intrínsecos, diverte por natureza. Serginho toca no Grito Rock Pelotas 2012 hoje, domingo, às 18hrs.

Gagui IDV e Mano Oxi – Atitudes de respeito

Thiago da Costa Moura, ou Gagui IDV, como é chamado, iniciou sua aproximação com a cultura HIP HOP a partir de 1994, quando começou a ouvir rap, colecionar matérias de jornais e revistas e conheceu integrantes do movimento HIP HOP de Pelotas.

Em 1998, forma seu primeiro grupo de rap, intitulado Ideologia de Vida, juntamente com dois colegas de escola, PC e Jeison ZL. O grupo começa a apresentar-se pelas festas de rap da cidade de Pelotas, conhecendo outros grupos, tendo oportunidade de levar informação para vários lugares.

Após o término do grupo, Gagui começa a palestrar em escolas, universidades, presídios, unidades da FASE (antiga FEBEM). Articulando o movimento HIP HOP de Pelotas, organizando festas, encontros, reuniões, palestras. Em 2001, inicia um projeto pioneiro na cidade de Pelotas, um programa de rap em uma rádio comunitária, chamado Comunidade HIP HOP, que vai ao ar até os dias de hoje, todos os sábados das 18:00 as 19:30. Gagui também começa a escrever para sites de HIP HOP, tornando-se colunista dos sites: Rap Nacional, Enraizados, Adversus e Omega HIP HOP, além de manter um blog na internet.

Em 2005 lançou o seu primeiro CD independente, intitulado Alforria, com dezesseis faixas, que contou com a participação de alguns grupos de rap de Pelotas: Banca CNR, Preta G, Makabra. Hoje acompanha Gagui IDV nos shows o DJ NF, Nego Maisson (vocal) e algumas participações, tais como: Banca CNR e Tiaguinho (Geração Sofrida). O grupo encontra-se em estúdio, gravando o segundo CD, ainda sem data prevista para lançamento.

Gagui IDV toca no Grito Rock pelotas hoje, domingo, às 17hrs, com Mano Oxi (Porto Alegre).

Zudizilla – Olhos pra quem não vê, luz pra quem não enxerga

De longe vem os pensamentos. De perto surgem os sentimentos. De dentro surgem palavras, da rua vem a inspiração. De tudo vem a motivação e do nada surgem as dúvidas. Da prática surge a perfeição. Do erro surge a humildade. Do acerto, a confirmação e da afirmação, o poder de decisão. Da escolha se constrói o futuro. Do escuro vem a luz, que nunca se apagará.

Zudizilla Luz, o Zulu, é rapper, poeta, artista. Toca no Grito Rock pelotas dia 18/03, domingo, às 15hrs.

Eduardo Freda apresenta Raízes e Coração

O projeto Raízes e Coração vem contar a história de um amor que nasceu na África e atravessou o Oceano para inspirar a paz.

Através de dez músicas que dão voz a essas tantas gentes que ocupam as páginas em branco  no livro das tradições do Rio grande do Sul, com o objetivo de dar vida a personagens que passeiam pelo imaginário do compositor  e pelas ruas da opulenta cidadela. O  álbum cria pontes entre realidade e ficção levando-o a beber em fontes históricas para compreender o universo em que viveram  e entender seu comportamento diante dos costumes  e padrões da época.Tendo assim um chão, poderiam eles então receber asas.

Esse tal chão vem também da percussão de Doug e Davi batuka que dão ritmo e alicerce para as melodias que vem com a força e a raiz dos cânticos entoados nos terreiros, somados  as influências de MPB , Soul’n Black Music.

Para esse show foi escolhida uma proposta mais orgânica com a presença dos violões, sem deixar de lado os climas proporcionados pelos timbres do teclado, que contam também com elementos sintetizados ,texturas e arranjos de guitarra que trazem uma peculiaridade ao trabalho. As letras falam de esperança e fé, anseios de liberdade, saudades e amores vividos ás margens do arroio pelotas, mas que  também fazem menção aos dias atuais.

Raízes e Coração foi gravado em 2011 no João Gilberto Bar, pelo Ponto de Cultura Outro Sul. O projeto será apresentado no Grito Rock Pelotas dia 18/03, domingo, às 19hrs.

Representando o metal, Postmortem

A Postmortem foi fundada em Agosto de 2004 pelos irmãos Bruno Añaña e Daniel Añaña, juntamente com Douglas Veiga e Willian Knuth, sendo essa a primeira formação da banda, que inicialmente chamava-se War God. Após o primeiro show, ainda em 2004, Daniel deixa a banda, dando lugar a Matheus Heres e a banda passa a chamar-se Postmortem. Após vários shows, Willian Knuth deixa a banda por motivos pessoais, quando Bruno assume os vocais juntamente com a entrada de Mou Machado.

Com essa formação, foi lançada em 2007 a primeira demo, gravada no estúdio Electric, chamada Out Of Tomb. A demo teve distribuição em países como Canadá, Alemanha, França, Chile, Peru e Malásia e rendeu ao grupo shows por grande extensão do Rio Grande do Sul e Santa Catarina assim como participação na coletânea Wings Of Blood, lançada em Brasil e Portugal. Em 2010, Matheus Heres deixa a banda e Juliano Pacheco assume o posto de baixista, concluindo a atual formação da Postmortem. Em 2011 a banda participou da abertura do show da consagrada banda sueca de Black Metal, Dark Funeral, quando juntamente lançou o single Beneath The Sands Of Time.

Atualmente, o grupo se prepara para gravar seu primeiro CD full-length no estúdio Munaya, juntamente com o lançamento de seu primeiro vídeo-clipe que deverá sair até o fim de 2012.

Para ouvir algumas músicas é só acessar o MySpace da Postmortem. Tocam no Grito Rock Pelotas dia 17/03, sábado, às 3hrs.

60’s, com Os Brutais

Os Brutais é um trio de Rock’n Roll formado em 2011 por Maurilio (guitarra e voz) Jack (baixo e voz) e Roberto (bateria) e tem como principal inspiração a música do final da década de 60, em nomes como Cream, Hendrix, The Who, Led Zepp, Sabbath, Bob Dylan, entre outros tantos.

Em 2011, Os Brutais fizeram uma mini turnê por Porto Alegre; em Pelotas, tocaram na 2ª edição do Festival Satolep Circus, inauguraram o novo Galpão Satolep e participaram da Calourada do DCE-UFPel, entre outras apresentações.

Em 2012 sai o primeiro EP da banda, com previsão de lançamento para Abril, durante o Pira Rural. Os Brutais é o resultado de uma forte amizade que se converteu em banda, uma forte amizade baseada no amor à música.

Para já ir se ambientando com o som da banda, basta acessar o MySpace. Tocam no Grito Rock Pelotas no dia 17/03, sábado, à 1hr!